21 de nov de 2010

A Tabela Periódica e sua Organização

freerangestock.com
Hoje vamos falar da Tabela Periódica e sua Organização. A tabela periódica dos elementos começou a ser desenvolvida no final do século XVIII (Séc. 18), quando Lavoisier compilou uma lista dos 23 elementos conhecidos naquele tempo; em 1870, conheciam-se 65 elementos; em 1925, 88; hoje há pouco mais de 110 elementos conhecidos.

O homem descobriu alguns elementos há milhares anos, como o ouro (Au), que aparece na sua forma elementar (isto é, sem formar compostos com outros elementos químicos), o ferro (Fe), entre outros, enquanto que elementos como Tecnécio (Tc) só foram descobertos com a ajuda da tecnologia. Elementos como o Rádio (Ra) e Frâncio (Fr) são elementos naturalmente radioativos. À medida que o número de elementos descobertos crescia, os cientistas procuravam classificá-los segundo algum critério.

Em 1869, Mendeleev, na Rússia, e Lothar Meyer, na Alemanha, publicaram, cada um, um esquema para classificar os elementos. Esses esquemas eram parecidos, o que não indicava que um plagiou do outro, pelo contrário: perceberam que os elementos, que foram organizados segundo a ordem crescente de seu número atômico (Z) detinham propriedades físicas e químicas que se repetiam periodicamente.

Dessa forma, com a ajuda desses e outros cientistas, a tabela periódica dos elementos atual contém as seguintes características:

1. Cada elemento está localizado em uma caixa que contém seu número atômico (Z), massa atômica (A) e símbolo atômico (por exemplo, para o elemento Flúor, o símbolo é F). Além disso, o arranjo dos elementos é feito em ordem crescente do número atômico (Z).

2. As caixas estão organizadas numa tabela que contém períodos (linhas horizontais) e grupos ou famílias (colunas verticais). Cada período é numerado de 1 a 7 e cada grupo de 1 a 8 (cada grupo acrescido ou da letra A ou B). Existe também um segundo tipo de tabela periódica em que as famílias são enumeradas de 1 a 18, muito embora os cientistas utilizem mais o primeiro tipo.


3. Existem oito (8) grupos A, dois deles dispostos à esquerda e o restante à direita da tabela periódica. Os elementos deste grupo são chamados elementos representativos.

4. Existem oito (8) grupos B, cuja localização está entre o grupo 2A e o 3A, isto é, no centro da tabela periódica. Os elementos desse grupo chamam-se elementos de transição.

5. Ainda há dois subgrupos dos elementos de transição: os elementos de transição interna, dispostos em duas filas horizontais, respectivamente os lantanídeos e os actinídeos, que se encaixam entre os elementos dos grupos 3B e 4B.

6. Alguns grupos possuem nomes próprios, por exemplo: a 1A é chamada de família dos metais alcalinos; 2A - metais alcalinos-terrosos; os halógenos (família 7A) e os gases nobres (família 8A). As demais famílias são chamadas pelo primeiro elemento (de cima pra baixo) de cada família. Por exemplo, família do oxigênio é a família 6A.

7. Deve-se notar que o príncipio básico da periodicidade da tabela está em que os elementos de uma mesma família possuem características químicas similares, enquanto que os de um mesmo período são diferentes quimicamente.


8. Por fim, existe uma classificação que distingue claramente os elementos da tabela. Tal classificação separa os elementos em Metais, Metalóides (popularmente chamados semi-metais) e Não-metais. Dê uma olhada na tabela periódica abaixo.


A tabela periódica  e sua organização é intensamente utilizada por químicos e afins, e agora que você já sabe de que forma está organizada uma tabela periódica, comente o que achou deste post!


Google Images.


Fonte(s) bibliográfica(s):


SILBERBERG, Martin Stuart. Principles of general chemistry. 1. ed. New York: McGraw Hill, 2007.

BROWN, Theodore L. et al. Chemistry: The Central Science. 11 ed. [S.l.]: Prentice Hall, 2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são muito bem vindos e importantes para Farmácia Escola, pois enriquecem o conteúdo dos artigos a ajudam os demais visitantes. Lembrando que O comentário deve estar relacionado ao assunto do artigo.